Chuva acima da média já havia prejudicado a cultura em Rio Grande (RS)

As chuvas do mês de abril afetaram diretamente a produção de soja no Rio Grande do Sul, principalmente nas regiões sul e oeste do estado. A alta pluviosidade foi causada pelo fenômeno climático El Niño que, mesmo perdendo força, ainda influencia as chuvas no Sul do país. As precipitações constantes deixaram cinco cidades em estado de emergência. Segundo César Soares, meteorologista da Climatempo, até o dia 27 o volume de chuvas acumulado era 188,4mm na região de Rio Grande.

Embora tenha causado prejuízos em outras culturas, os maiores danos foram nas plantações de soja, preocupando produtores. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural – EMATER / RS, ainda não possui um levantamento de quanto foi a perda na safra atual, já que mesma ainda não foi colhida. De acordo com Alencar Paulo Rogério, Engenheiro Agrônomo da instituição, as precipitações afetam a produção em fases importantes. “A partir do momento em que a planta está em fase de maturação, há perdas pelo excesso de umidade, que causa apodrecimento dos grãos”, afirma.

O especialista também conta que a atividade agrícola sempre corre o risco de intervenções do tempo e é preciso uma preparação. “Quando o produtor vai plantar as culturas, ele precisa saber dos riscos. Ninguém esperava que ocorressem chuvas nessas proporções. Nem sempre é o volume acumulado, mas a insistência”, afirma.

Nos últimos dias, as cidades produtoras de soja no Rio Grande do Sul começaram a enfrentar não só a chuva, mas também o frio intenso. Uma forte massa de ar polar derrubou a temperatura e provocou geada generalizada. Segundo César Soares, meteorologista da Climatempo, esse é o novo cenário para o próximo mês. “O ar seco vai predominar sobre a maior parte do Sul, em São Paulo e Mato Grosso do Sul e poucas frentes frias devem atuar provocando chuva no interior do continente. As massas polares devem derrubar a temperatura no início do mês e também por volta dos dias 07, 15, 20 e 28.”

O outono é uma estação mais seca e de acordo com a previsão da Climatempo, com o enfraquecimento do El Niño e o predomínio de tempo seco, os volumes de chuva devem ficar abaixo da média nos meses de maio de junho na Região Sul. “Uma característica comum do outono é a redução da chuva, em grande parte do país”, conta o meteorologista César Soares.